Africanias na Revista Mistérios de Órunmilá

GRUPO DE PESQUISA AFRICANIAS UFRJ

O Grupo de Pesquisa Africanias UFRJ foi fundado em fevereiro de 2017. Sua história coincide com o percurso da Pesquisadora Professora Dra. Andréa Adour que entre 2006 e 2013 foi professora da Universidade Federal de Ouro Preto, atuando no Departamento de Música. Em fevereiro 2013 defendeu sua tese de doutorado intitulada: Vissungo: o cantar banto nas Américas, defendida na Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, sob orientação dos professores Doutores Sônia Queiroz e Rogério Cunha. No mesmo ano, em 2013, a pesquisadora foi redistribuída para a Universidade Federal do Rio de Janeiro, para atuar no Departamento Vocal da Escola de Música. No ano de 2015, o Programa de Pós-Graduação em Música (PPGM-UFRJ) aprovou a inserção do projeto Africanias na Música Vocal Brasileira e a Relação Brasil-África, vinculando-o à linha de pesquisa História e Documentação da Música Brasileira e Íbero-Americana na área de concentração Musicologia.

                           

Coordenadora Andréa em vídeo-conferência com Professor Doutor Lenine Santos da UFPEL

O projeto investiga a presença do legado africano nos diferentes gêneros e épocas da música brasileira. Tal presença foi espargida, desde o século XVI, período em que o modelo econômico adotado por Portugal em sua colônia, utilizou mão de obra escrava, escravizando os povos locais, chamados por seus colonizadores genericamente de índios e povos africanos, trazidos sobretudo da África subsaariana. Diversos povos africanos provenientes de diferentes etnias, línguas e culturas, que aqui encontraram-se e entoaram seus cantos e construíram seus instrumentos, manifestando sua presença em sons no novo mundo, em africanias. O encontro entre tais saberes e a música de origem europeia foi campo de interesse de diversos compositores, em diferentes gêneros e estilos musicais e possibilitou a composição de amplo repertório onde podemos perceber o eco da presença africana. Entretanto, este repertório é muitas vezes mal compreendido em decorrência da dificuldade de compreensão do vocabulário e das tradições africanas que o cercam. Este projeto de pesquisa visa o estudo e a compilação de obras da música vocal brasileira que possuam africanias, bem como a elaboração e publicação de um vocabulário de termos africanos e africanias, de modo a auxiliar instrumentistas e cantores na interpretação da música vocal brasileira (dados acessados em 20/12/2017 no sítio: www.goo.gl/XuhjXP ).

Iyalorixá Paula de Odé com o pastor Isaias da Igreja Batista


Para compreender a presença do legado africano no âmbito de texto e música, a pesquisadora Prof. Dra. Andréa Adour, buscou um referencial teórico que viesse a contribuir com a ampliação desses saberes encontrando suporte nas pesquisas desenvolvidas pelas pesquisadoras Yeda Pessôa de Castro, Sônia Queiroz e Leda Martins.
No ano de 2016 aconteceu, entre os dias 24 e 27 de outubro, o VII Simpósio Internacional de Musicologia da UFRJ que naquele ano foi intitulado Música no Universo Íbero-Afro-Americano: desafios interdisciplinares. Para este simpósio a coordenadora da linha de pesquisa professora Dra. Andrea Adour foi convidada para coordenar o Grupo de trabalho Africanias, do qual fizeram parte a pesquisadora Dra. Sônia Queiroz (UFMG), o Babalawo Sandro Fatorera (Afoxé Ómó Ifá) e a Dra. Elisângela Santos (CEFET) que realizou-se no dia 26 de outubro. A partir destas discussões realizadas por este grupo de trabalho foi retirado um documento que sugeria a criação do Grupo de Pesquisa Africanias UFRJ. Tal documento encontra-se publicado nos anais do Simpósio que podem ser acessados no sítio www.goo.gl/cc88pS

                       

Apresentação do Afoxé Ómó Ifá no teatro da UFRJ com o grupo de pesquisa africanias

No início de 2017 foi então fundado o Grupo Africanias UFRJ que conta a colaboração de pesquisadores de diversos estados e instituições, tais como a UFMG, UFU, UFPEL, UFJF, Afoxé Ómó Ifá, FAETEC, além de pesquisadores independentes. Além disso, há a presença de discentes dos bacharelados em música e da licenciatura em música da UFRJ, bem como dos alunos de mestrado e doutorado dos programas de pós-graduação em música da UFRJ, o PPGM e o PROMUS. O Grupo Africanias UFRJ é também parceiro de outros grupos de pesquisa, tais como o Caravelas Brasil (UFRJ), coordenado pelo professor Dr. Alberto Pacheco e o APHCAB (UFPEL), coordenado pelo professor Dr. Lenine Santos. O grupo de pesquisa também acolhe a presença de colaboradores e pesquisadores das diferentes tradições orais, cujas culturas pertencem ao interesse de estudo do grupo.

                                 

Professora Doutora Regina Meirelles apresentando a sua pesquisa dos Tambores de Crioula

Desde então a produção do Grupo Africanias UFRJ vem crescendo, e seus pesquisadores produziram diferentes artigos como resultados de suas pesquisas. É também um dos objetivos do grupo a produção artística e, para tanto, são realizados recitais-palestras que tem acontecido em diferentes salas de concerto bem como em congressos nacionais e internacionais.

Colaboradora: Pesquisadora Professora Andréa Adour

FONTE: http://revistamisteriosdeorunmila.com.br/index.php/2019/05/23/grupo-de-pesquisa-africanias-ufrj/

Deixe Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *